• Você está em: 
  • Home
  • Notícias

01/04/2011 - Greve fecha lotéricas em Campos e bancos de Nova Iguaçu não abrem nesta sexta

     Mais de 140 bancos não abriram aos clientes nesta quinta-feira em municípios do Norte Fluminense, Baixada e Serra devido à paralisação dos vigilantes bancários que teve início em Campos dos Goytacazes, há nove dias.

Imagem
Greve paralisou bancos de Belford Roxo

     Em Campos dos Goytacazes, além das 52 agências bancárias, as lotéricas fecharam às portas porque não há segurança para guardar valores no interior dos estabelecimentos, já que os bancos estão fechados para quaisquer operações financeiras. A falta de dinheiro nos caixas eletrônicos é outro problema que já preocupa as autoridades e população de Campos, Macaé e Friburgo. Outros municípios do Norte Fluminense e Região Serrana também estão com os bancos sem funcionar. São eles: São João da Barra, São Fidélis, Cambuci, Cordeiro, Cantagalo, Cachoeiras de Macacu e Bom Jardim. O presidente da Federação dos Vigilantes, Fernando Bandeira, está percorrendo as cidads atingidas pela greve junto com as lideranças de cada sindicato.

     Em Belford Roxo e Queimados, das 15 agências bancárias, apenas duas funcionaram hoje no Centro de Belford Roxo. As demais ficaram fechadas e continuarão sem funcionar até sexta-feira, quando nova assembléia decidirá os próximos passos do movimento grevista. Na Caixa Econômica Federal, da Rua Joaquim Pinto Dias, no Centro, supervisores da empresa de segurança que presta serviço à Caixa, com ajuda de policiais à paisana, agrediram vigilantes e sindicalistas que chamaram a Polícia Militar para contornar os excessos.

     Nos municípios de Macaé e Nova Friburgo, cerca de 60 agências bancárias continuam fechadas ao público, devido à greve de vigilantes que estão em Campanha Salarial, reivindicando 10% de reajuste acima da inflação, elevação do tíquete refeição de R$ 8,30 para R$ 15, e parcelamento do adicional de risco de vida em três parcelas de 9%, para completar os 30% - aprovado no Senado – em 2013. No entanto, o Sindicato das Empresas de Segurança só ofereceu 1,5% sobre a inflação de março – data base da categoria

Ministério do Trabalho discutirá greve com sindicatos

     No próximo dia 6 de abril, a Federação Estadual dos Vigilantes, conseguiu agendar no Rio uma mesa redonda com sindicato patronal na Superintendência Regional do Trabalho, às 10h, para negociar uma saída para a greve. No dia seguinte, em Campos, o sindicato local tem audiência marcada pelo mesmo motivo com o Ministério Público do Trabalho.

     Amanhã, sexta-feira, é a vez dos cerca de 40 bancos do município de Nova Iguaçu não atenderem o público porque os vigilantes também vão cruzar os braços contra os baixos salários: hoje o piso é de R$ 800 p/mês.Amanhã, sexta-feira, é a vez dos cerca de 40 bancos do município de Nova Iguaçu não atenderem o público porque os vigilantes também vão cruzar os braços contra os baixos salários: hoje o piso é de R$ 800 p/mês.

30/03/2011 - Nova Central presta homenagem às mulheres

      A Nova Central Sindical dos Trabalhadores do Rio realizou no dia 30 de março, no Rio`s Presidente Hotel, a comemoração do Dia Internacional e Nacional da Mulher. Na ocasião, prestou homenagem a todas as mulheres sindicalistas filiadas à NCST/RJ, representadas no ato por duas mulheres com trajetórias distintas, mas de importância em suas respectivas áreas de atuação: Marina dos Santos, Coordenadora Nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – MST e Sônia Zerino, Secretária Nacional da Mulher da Nova Central.

Imagem

     Marina deu verdadeira aula sobre os problemas dos trabalhadores do campo que lutam por um pedaço de terra, no país com mais áreas agricultáveis do mundo. Informou que apenas 1% dos estabelecimentos rurais (35.000 famílias), detém 46% das terras no Brasil, ficando na outra ponta 4 milhões de trabalhadores sem um palmo de terra para seu sustento. Cerca de 85% do alimento que chega à mesa dos brasileiros são provenientes da agricultura familiar a cargo de pequenos proprietários (cerca de 2.500.000 lavradores) que têm menos de 10 hectares e ocupam 2, 36% dos estabelecimentos rurais. Ressaltou que o país, desde 2009, ocupa o primeiro lugar no consumo de agrotóxicos, desbancando os EUA. Como conseqüência, em Mato Grosso, maior produtor de grãos para exportação (soja e milho), no município de Campo Verde, o uso de defensivos agrícolas é tão intenso que foi encontrado resíduos no leite materno.

Imagem

      Sonia Zerino falou sobre as diversas formas de violência que atingem as mulheres desde a física que deixa marcas até a violência psicológica. Esta última chega a ser pior que a física, pois destrói a auto-estima das mulheres deixando-as fragilizadas. Informou que a Lei Maria da Penha foi aprovada em 2006 para coibir qualquer tipo de violência contra a mulher, sendo questionada sua constitucionalidade no Supremo Tribunal Federal, que a confirmou no dia 24 de março.

Imagem

     O evento, organizado pela diretora de Assuntos da Mulher, Maria Helena Santos e pelo presidente da NCST/RJ, Sebastião José, contou com a participação de Fernando Bandeira, diretor de Assuntos Parlamentares da NCST, representando José Calixto Ramos, de Vera Motta, Secretária da Mulher da Força Sindical, além de representantes do Sindicato dos Vigilantes/Rio, do Sindicato dos Trabalhadores Agentes Autônomos do Comércio/RJ, Sintraturb/Rio, Sindmotos, Sindicato dos Servidores de Nova Iguaçu e Mesquita, entre outros.

30/03/2011 - Bancos não abrem na Baixada Fluminense nesta quinta-feira. em Macaé e Friburgo agências continuam fechadas

     64 agências bancárias não abriram ao público nesta quarta-feira (30) nos municípios de Macaé e Nova Friburgo em consequência da greve de vigilantes que teve início em Campos dos Goytacazes, no dia 23 de março. Na região de Friburgo, também fecharam os bancos de Bom Jardim, Cantagalo, Cordeiro e Cachoeiras de Macacu. Com a paralisação, os caixas eletrônicos desses municípios começam a ficar sem dinheiro porque não há vigilantes nas agências para oferecer segurança ao abastecimento das máquinas de autoatendimento.

     Agora à noite, os vigilantes da Baixada Fluminense resolveram aderir à greve da categoria, começando por Belford Roxo e Nova Iguaçu que paralisarão o funcionamento dos bancos nesta quinta-feira. Segundo o presidente da Federação Estadual dos Vigilantes, Fernando Bandeira, a Lei Federal 7.102/83 proíbe que os bancos funcionem se não houver no mínimo dois vigilantes na agência. A agência que desobedecer pode ser autuada na Polícia Federal e sofrer pesadas multas, disse o sindicalista.

     Os vigilantes da capital, Baixada e interior do estado querem 10% de aumento acima da inflação, enquanto os donos das empresas de vigilância ofereceram apenas 1,5%.

     Em Campos, São Fidélis, Cambuci e São João da Barra, no Norte Fluminense, a greve prossegue no seu 6º dia, com os 52 bancos fechados ao público. De acordo com Luiz Carlos Rangel da Rocha, presidente do Sindicato de Campos, em algumas agências, o dinheiro já está faltando nos caixas por falta de abastecimento. Superintendentes de grandes bancos iniciaram pressões sobre o sindicato patronal, no Rio, para que reabra as negociações com os trabalhadores, objetivando evitar um caos financeiro nas cidades atingidas pela greve.

28/03/2011 - Greve de vigilantes chega a Baixada e Sul Fluminense

      Após a paralisação do funcionamento de 112 agências bancárias em Campos, Macaé e Nova Friburgo, na última sexta-feira (25), o movimento grevista chega a Baixada Fluminense e Volta Redonda com assembléias para decidir se cruzam os braços por tempo indeterminado na próxima quarta e quinta-feira. Hoje os bancos abriram em Macaé e Nova Friburgo, mas podem fechar novamente nos dias 30 e 31, se o sindicato das empresas de segurança não melhorar o reajuste de 1,5% acima da inflação. Os trabalhadores querem 10% de ganho real, além do parcelamento do adicional de risco de vida – aprovado pelo Senado – em três parcelas de 9%, para completar os 30% em 2013.

      Segundo a Federação dos Vigilantes do Rio, o ajuste de apenas R$ 0,60 no tíquete refeição, proposto pelo sindicato patronal, de R$ 8,20 para R$ 8,80 revoltou os trabalhadores na capital e interior do estado que no mínimo querem R$ 15 por dia. Segundo a Federação dos Vigilantes do Rio, o ajuste de apenas R$ 0,60 no tíquete refeição, proposto pelo sindicato patronal, de R$ 8,20 para R$ 8,80 revoltou os trabalhadores na capital e interior do estado que no mínimo querem R$ 15 por dia.

      Em Campos, as 53 agências bancárias continuam fechadas em seu quarto dia por causa da greve dos vigilantes do Norte Fluminense, que atinge ainda os municípios de São Fidélis, Cambuci e São João da Barra.

      O auto-atendimento foi liberado pelos grevistas para não prejudicar a população. Ao todo, cerca de 2 mil profissionais de segurança continuam parados como forma de pressionar os patrões a retomarem as negociações com a categoria. A data base é março.

26/03/2011 - RJ: vigilantes paralisam funcionamento de 112 bancos no Estado

      52 agências bancárias de Campos e região continuam fechadas por causa do terceiro dia de greve dos vigilantes, que continua por tempo indeterminado. A paralisação provocou efeito cascata em Macaé e Quissamã, onde os 40 bancos também não abriram hoje (25). Em consequência da greve o 32º BPM reforçou o policiamento no município, base operacional da Petrobrás. O auto-atendimento bancário foi permitido pelos grevistas. Na segunda-feira, as agências reabrem ao público, porém podem voltar a fechar se o sindicato patronal no Rio, não apresentar uma proposta melhor que 1,5% oferecido acima da inflação.

Nova Friburgo adere à greve e Volta Redonda decide se para na segunda

      Outro município que aderiu hoje a greve dos profissionais de segurança foi Nova Friburgo, com 20 agências bancárias fechadas ao público – os bancos reabrem na segunda e na terça haverá assembléia para decidir os rumos do movimento. O reajuste de apenas R$ 0,60 no tíquete refeição, passando de R$ 8,20 para R$ 8,80 revoltou os trabalhadores desses três municípios que querem no mínimo R$ 15 por dia. Os vigilantes querem ainda 10% de reajuste salarial sobre a inflação do período, além do parcelamento do adicional de risco de vida –aprovado pelo Senado e convenção coletiva – em três parcelas de 9%, para completar os 30% em 2013. A data base é março. De acordo com a Federação Estadual dos Vigilantes, os trabalhadores da segurança vão decidir na próxima segunda-feira se paralisam as agências bancárias de Volta Redonda, no Sul do estado.

      A Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) não quis comentar a greve, alegando que os vigilantes são trabalhadores terceirizados e não bancários. O sindicato patronal - Sidesp - também não quis se pronunciar sobre a greve.

24/03/2011 - Participação da mulher aumenta no mercado da segurança vigilante glória, diretora do sindicato, entrevistada pela cnt

      Neste ano o Dia Internacional da Mulher, 8 de março, caiu em plena terça feira de carnaval, sendo por isso comemorado durante todo o mês com várias matérias na imprensa escrita e televisões enfocando a participação crescente das mulheres no mercado de trabalho. A Central Nacional de Televisão – CNT esteve no Sindicato dia 14 de março, para entrevistar a diretora Maria da Glória Andrade, vigilante há oito anos na empresa Husky e presta serviço no Banco Itaú da Avenida Nossa Senhora de Fátima, no Centro. O objetivo da matéria foi mostrar que também no setor da vigilância privada as mulheres vão ocupando espaços crescentes.

Imagem
Maria da Glória entrevistada pela CNT sobre a mulher no mercado de trabalho

      A repórter da CNT, Patrícia Hablith, acompanhou o curso de treinamento da NCTEC em Olaria ficando impressionada com o fato das mulheres constituírem a metade dos alunos. No Sindicato, a repórter entrevistou o presidente Fernando Bandeira, que disse ser muito importante a presença da mulher na vigilância privada, pois sua atividade complementa a segurança preventiva, dando maior equilíbrio ao trabalho já que as mulheres são mais tranqüilas e indispensáveis nos hospitais e demais setores que atendem o público.

      Maria da Glória, há dez anos na profissão, casada com um policial militar, mãe de três filhos, disse estar feliz na vigilância privada, que exige muita responsabilidade e dedicação. Quando tirou a ata foi orgulho da família, ressaltando que tudo que é feito com amor é positivo. Pretende ficar na profissão até a aposentadoria.

A entrevista foi ao ar dia 15 de março, às 21:30h, na CNT, canal 9.

24/03/2011 - Greve de vigilantes entra no seu segundo dia

      Se depender dos vigilantes de Campos, no Norte Fluminense, as 52 agências bancárias podem não abrir para atendimento ao público amanhã, a exemplo do que já aconteceu hoje. De acordo com a Federação dos Vigilantes do Rio, cerca de 2 mil trabalhadores cruzaram os braços nesta quarta-feira feira (23) em represália a intransigência do sindicato das empresas de segurança que só ofereceu 1,5% de ganho real. Os vigilantes da capital, Baixada e interior do estado reivindicam: inflação do período mais 10% de ganho real; diminuição do tíquete refeição de 20% para 5%; parcelamento do adicional de risco de vida em três parcelas de 9%, para completar os 30% em 2013; entre outros itens. A data base é março.

Imagem
Em Campos, bancos continuam fechados nesta quinta

      Conforme Lei Federal 7.102/83, que trata da segurança privada no país, os bancos não podem abrir para atendimento sem pelo menos dois vigilantes, sob o risco de serem multados. De acordo com o presidente do Sindicato dos Vigilantes de Campos, Luiz Carlos Rangel da Rocha, as 52 agências continuarão fechadas até os patrões reabrirem as negociações com os trabalhadores. Para não prejudicar a população os grevistas liberaram apenas alguns caixas eletrônicos no Centro da cidade. Segundo Rocha, os vigilantes do Estado do Rio ganham um piso muito baixo – R$ 800 – ficando atrás de outros estados importantes como São Paulo, Minas Gerais, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Paraná.

      A Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) não quis comentar a greve, alegando que os vigilantes são trabalhadores terceirizados e não bancários.

      O movimento grevista prossegue na próxima semana, quando os vigilantes de Macaé também ameaçam cruzar os braços e parar os bancos se a proposta patronal não melhorar, informou Fernando Bandeira, presidente da Federação dos Vigilantes do Rio de Janeiro.

22/03/2011 - Pagamento da segurança do Consulado Americano estaria atrasado

     Vigilantes da Evick, empresa que recentemente assumiu a segurança do consulado americano no Rio, ligaram para o sindicato durante a visita do presidente Barack Obama para reclamar que estão com salários, tíquete refeições e vale transportes atrasados. Um dos vigilantes, que pediu para não ser identificado, disse que como a sede fica em São Paulo o pagamento de alguns novos vigilantes atrasou.

Vigilante do Consulado dos EUA atingido por coquetel molotov

     Um desses vigilantes, Rodolfo Gomes Pereira (26), foi atingido com uma bomba - tipo coquetel molotov – na entrada do prédio do consulado durante protestos de alguns movimentos sociais, no dia 18 último, contra a visita do mandatário americano. O trabalhador foi levado às pressas ao Hospital Souza Aguiar com ferimentos leves na barriga, costas e braço esquerdo, e liberado em seguida.

Abaixo, reprodução do Extra do dia 19 de março de 2011. Foto de Pedro Kirilos.

Imagem
Reprodução do Extra - 19.03.2011- Foto Pedro Kirilos

19/03/2011 - Vigilantes fazem passeata em meio ao treino da segurança de Obama

      Cerca de 300 vigilantes do Rio, Baixada e interior do estado protestaram no Centro nesta sexta-feira (18)contra o reajuste de 1,5% oferecido pelo sindicato patronal. Em negociação salarial, os profissionais da segurança reivindicam 10% de ganho real, mais o reparcelamento do risco de vida em três parcelas de 9%, para completar os 30% em 2013, além da redução do desconto do tíquete refeição de 20% para 5%. Hoje o piso é de R$ 800. A caminhada teve o reforço de caravanas de dez sindicatos que exigem melhores condições de salário e trabalho. Com apoio da Polícia Militar a caminhada saiu da Candelária seguindo pela Av. Rio Branco até a Cinelândia, onde o protesto terminou nas escadarias da Biblioteca Nacional.

Imagem
300 vigilantes reivindicaram 10% de ganho real no Centro do Rio

      Na avaliação do presidente do Sindicato do Rio e da Federação, Fernando Bandeira, a manifestação foi positiva. Mais de 60% do efetivo de vigilantes cruzaram os braços pela manhã, afetando a segurança dos bancos, condomínios e comércio. Segundo Bandeira, na segunda-feira haverá nova assembléia, às 10h, no Sindicato, para fazer uma avaliação do movimento e decidir por novas paralisações em aeroportos e shoppings. “Se não houver acordo com o sindicato das empresas de segurança, podemos instaurar dissídio coletivo na Superintendência Regional do Trabalho”, disse o sindicalista.

Imagem
À frente da manifestação o companheiro Bandeira

     Durante a caminhada, próximo do Edifício Avenida Central, batedores do Corpo de Fuzileiros Navais assumiram o trânsito fechando cruzamentos num treino para a visita do presidente americano Barack Obama, sem, no entanto, importunar a manifestação dos trabalhadores da segurança privada.

Imagem
Fuzileiros navais treinavam para a segurança de Obama, mas não se opuseram a manifestação dos vigilantes

     “O Rio de Janeiro que em breve vai sediar uma Copa do Mundo e as Olimpíadas, é o nono estado no ranking dos salários do Brasil. Ficamos atrás de São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina, Rio grande do Sul, entre outros”, finalizou o presidente da Federação e do Sindicato, Fernando Bandeira.

Imagem
O protesto terminou nas escadarias da Biblioteca Nacional

10/03/2011 - Paralisação de vigilantes no dia 18 pode deixar bancos, shoppings e aeroportos sem segurança

     A Federação dos Vigilantes do Rio fará assembléia com os trabalhadores e mais  dez sindicatos filiados no estado, na próxima segunda-feira, dia 14, às 10 horas, na sede da Federação da categoria (Rua André Cavalcanti n° 126 – Bairro de Fátima) para definir a estratégia da paralisação do dia 18. A categoria não aceitou a proposta dos empresários da segurança privada de reajuste igual à inflação mais 1,5% de ganho real.

      O movimento atingirá os bancos, shoppings, aeroportos entre outros postos de trabalho, na capital, Baixada e interior. No dia 18 haverá concentração na Candelária a partir das 5 horas da manhã.

    Entre os vários itens reivindicados, destacam-se os 10% de ganho real sobre a inflação do período, reparcelamento do risco de vida em três parcelas de 9%, para completar os 30% em 2013, e redução de 20% para 5% o desconto do tíquete refeição.

      Os patrões não concordaram com nenhuma das reivindicações alegando o grande impacto nos contratos dos seus clientes.

     Para Fernando Bandeira, presidente do Sindicato e da Federação, a proposta está muito abaixo do aumento que tiveram os alimentos, aluguéis, transporte e educação, representando em arrocho salarial disfarçado.

04/03/2011 - Vigilantes do Rio não aceitam apenas 1,5% de ganho real

      Haverá paralisação geral dos vigilantes do Município do Rio no próximo dia 18 de março. O movimento atingirá os bancos, shoppings, aeroportos entre outros postos de trabalho. O Sindicato dos Vigilantes não aceitou a proposta dos empresários da segurança privada de reajuste salarial igual à inflação mais 1,5% de ganho real. Nesse dia haverá concentração na Candelária a partir das 5 horas da manhã. Os vigilantes farão grande assembléia no dia 14 de março, às 11 horas, no Sindicato da categoria para definir as estratégias para a mobilização no dia 18.

24/02/2011 - Vigilantes aprovam indicativo de greve

      Os vigilantes do município do Rio de Janeiro realizaram nesta terça-feira (22/02), assembléia para discutir a proposta do Sindicato Patronal para a negociação salarial 2011/2012.

     Pela proposta dos empresários da segurança privada, os vigilantes terão de reajuste salarial a reposição da inflação (INPC) mais 1,5% de ganho real, sendo o mesmo reajuste para o tíquete refeição/alimentação, e o risco de vida de 8% sobre o piso. Em cálculos feitos, o piso dos vigilantes passaria dos atuais R$ 800 para R$ 865,60, mais R$ 69,24 de Risco de Vida e o tíquete de R$ 8,20 passaria a R$8,87. Para Fernando Bandeira, presidente do sindicato, o reajuste em torno de 8,20% fica muito abaixo dos reajustes que tiveram os alugueis (média de 11,5%) da alimentação (média de 10,33%), e outros como transporte e educação, que são os gastos que mais comprometem a renda dos trabalhadores.

      Na assembléia, os vigilantes decidiram não aceitar a proposta e aprovar o indicativo de greve, em especial na rede bancária.

17/02/2011 - Vigilantes fazem paralisação

     Cerca de 60 vigilantes do Hospital Estadual Alberto Torres e do Hospital Estadual Azevedo Lima paralisaram as atividades desde ontem (17/02). Segundo denúncias enviadas ao Sindicato, os trabalhadores estão com o salário atrasado, com o pagamento de hora extra feito fora do contra-cheque e não recebem férias. Os profissionais permanecerão parados até que o problema seja resolvido pela empresa Centauro, tomadora dos serviços.

      A Federação dos Vigilantes/RJ e o Sindicato dos Vigilantes de São Gonçalo estão presentes no movimento apoiando a categoria.

15/02/2011 - Sindicato dos Vigilantes leva ajuda à Região Serrana

      Nas últimas semanas o Sindicato dos Vigilantes iniciou campanha de arrecadação de donativos para as vítimas das chuvas da Região Serrana. O material recebido - 2 mil litros de leite, 3.600 de água, produtos de limpeza e higiene pessoal e roupas – foi entregue, no dia 3 de fevereiro (quinta-feira), à população e sindicatos das cidades de Petrópolis, Nova Friburgo, Teresópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto. Sérgio da Silva e Eduardo Bezerra, representantes da Federação dos Sindicatos dos Vigilantes, acompanharam a comitiva do Sindvig.

Foto
O caminhão do Sindicato ficou cheio com tantas doações.

      Apesar de não se ter notícias de vigilantes atingidos na cidade, o Sindvig Rio, representado pelo presidente Fernando Bandeira e pelos diretores Oelitom e Ocimar, deixou parte do material recolhido para o Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis, que acaba de se instalar em sede própria, no centro da cidade.

Foto
Ocimar (E), Bandeira e Sérgio (D) conversam com o pres. do Sindicato de Petrópolis

     Em Nova Friburgo, o cenário era diferente. Foi necessário entregar maior quantidade de donativos, já que a cidade foi quase toda destruída. Uma das vítimas, o presidente do Sindicato dos Vigilantes de Nova Friburgo, Manoel do Nascimento, também perdeu seus pertences e sua casa.

Foto
Uma ponte em Córrego Dantas foi improvisada para levar donativos a população

     De acordo com Oelitom, o bairro Córrego Dantas foi o mais atingido: “O centro da cidade já estava limpo quando chegamos, mas Córrego Dantas, na periferia, ainda estava com muita lama e poeira. Além disso, as pessoas esperavam a gente em fila para receberem os donativos. A situação está realmente precária e esperamos ainda poder ajudar mais as pessoas de lá”.

Foto
Marilza e Núbia recebem os donativos destinados aos moradores de S.J.V.do Rio Preto

As ruas de São José do Vale do Rio Preto também estavam cobertas pela lama. Apesar de toda destruição os moradores da cidade, que é quase toda construída às margens do Rio Preto, disseram que erguerão um novo município, mais estruturado e organizado. “Agora vamos começar do zero e erguer a Nova São José do Vale do Rio Preto”, disse Marilza Samagaio, diretora do Sindicato dos Servidores Municipais da cidade e esposa do vigilante aposentado Plínio Antônio de Souza, que mostrou aos representantes do Sindvig Rio os principais pontos de destruição da cidade.

Foto
Bandeira, Marilza, Plínio, Sérgio e Bezerra às margens do Rio que inundou a cidade.

     O Sindicato segue em campanha em sua sede na Rua André Cavalcanti, nº 126 – Bairro de Fátima; e na sub-sede Rua Albertina, nº 70 – Campo Grande. Esperamos suas doações.



Exibindo 267 a 280 de 455« 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 »