• Você está em: 
  • Home
  • Notícias

21/03/2012 - FALTA DE ACORDO GERA NOVA AUDIÊNCIA DE CONCILIAÇÃO

A Seção Especializada em Dissídios Coletivos (Sedic), presidida pela presidente do TRT/RJ, desembargadora Maria de Lourdes Sallaberry, realizou, na tarde desta terça-feira (20/3), uma audiência de conciliação entre o Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado do Rio de Janeiro (Sindesp-RJ) e 15 Sindicatos dos vigilantes de diversos municípios fluminenses.

O Sindesp-RJ ajuizou em 16 de março um dissídio coletivo de greve, postulando a declaração de ilegalidade da paralisação da categoria, iniciada desde 12/3, por entendê-la abusiva.


A presidente Maria de Lourdes Sallaberry durante tentativa de negociação entre os sindicatos na Sedic

A classe dos vigilantes reivindica reajuste salarial de 8%, para que o piso salarial passe de R$864 para R$933,12; redução do percentual do ticket-refeição que é descontado no salário, de 20% para 10%; além de aumento do adicional de risco de vida de 8% para 10%.

Os vigilantes lotaram a sala de audiência de conciliação durante as negociações entre os sindicatos dos vigilantes e o Sindesp-RJ

Após horas de calorosos debates e inúmeras tentativas de conciliação propostas pela presidente do TRT/RJ e pela procuradora regional do Trabalho, Deborah da Silva Felix, as partes não chegaram a um acordo, e a desembargadora Maria de Lordes Sallaberry marcou nova audiência de conciliação, para o dia 27/3, às 15h, a fim de que o Sindesp-RJ possa levar as propostas discutidas às empresas.

Os patrões insistem em tirar 4% do risco de vida para dar apenas 2,32% de ganho real.



Fonte: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social - TRT/RJ
(21) 2380-6512/6815

aic@trt1.jus.br

20/03/2012 - CATEGORIA REALIZA ASSEMBLEIA E DIZ QUE PATRÃO BOICOTA ACORDO;TRT MARCA AUDIÊNCIA PARA HOJE

Vigilantes decidem manter greve

 

Categoria realiza assembleia e diz que patrão boicota acordo;TRT marca audiência para hoje

 


Jornal POVO DO RIO 20/03/2012

Colaboração de Tamiris Rodrigues

A greve dos vigilantes deflagrada em todo o Estado desde o dia 12 ainda não tem data para terminar. A decisão para a permanência da paralisação ocorreu ontem em, assembléia na Candelária, Centro do Rio.

A primeira audiência de conciliação das partes será realizada hoje, às 14h, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Vigilantes e Empregados em Empresas de Segurança (Sindvig),

Antonio Carlos Silva, o que contribui para a permanência da greve foi a ausência do sindicato patronal na reunião que seria realizada no último domingo.

"Ontem (domingo) aconteceria uma reunião para tentarmos um acordo, mas o sindicato patronal não compareceu. Decidimos então que a greve permanecerá por tempo indeterminado." Na última quarta-feira a proposta feita pelo sindicato patronal foi rejeitada pela categoria. Ela oferecia um ganho real de salário de 2,38% e redução no valor do risco do vigilante. Segundo Antonio Carlos, o valor não agradou à categoria, que reivindica um reajuste salarial de 10% acima da inflação, além do reajuste do ticket de refeição de R$8,85 para R$ 16,50, os 30% do risco de vida, que hoje é de apenas 8%, e assistência médica para os vigilantes e os dependentes.

 

Parecer da PF impede abertura de agências bancárias com efetivo reduzido

De acordo com sindicato dos vigilantes, um parecer da Polícia Federal impediu agências bancárias que estiverem com o efetivo incompleto de funcionar. Isso fez com que muitas fechassem com receio de interdição da PF. Consultada por uma rede de bancos, a Coordenadoria Geral de Controle de Segurança Privada da Polícia Federal, em Brasília, emitiu parecer determinando que as agências bancárias, cujos vigilantes estão em greve no Rio, só poderão funcionar se tiverem o número de vigilantes suficientes previstos no plano de segurança bancária, conforme estabelece a portaria n° 133 da Diretoria Geral do órgão baseada na Lei Federal 7.102/83. O parecer contraria liminar da desembargadora Mery Bucker Caminha do TRT/RJ, concedida ao Sindicato das Empresas de Segurança do Rio, determinando que uma agência bancária pode funcionar com apenas um vigilante. O parecer da PF em Brasília diz ainda que durante a greve os vigilantes poderão ser substituídos por policiais militares nas agências bancárias."

De Norte a Sul do estado cresce o número de pessoas que procuram as casas lotéricas para pagar suas contas devido ao fechamento de mais de 600 agências bancárias.

Em Nova Iguaçu os 38 bancos da cidade estão fechados e três bancos foram interditados no Centro pela Polícia Federal porque insistiam em funcionar com apenas um vigilante. Em Macaé agências que estavam funcionando com um agente também foram obrigadas a fechar sob pena de serem multadas. Já no Sul Fluminense, que compreende 17 municípios, todos os bancos estão fechados porque não há vigilantes para fazer a segurança de clientes e funcionários.

No Rio, a maioria dos bancos que insiste abrir com apenas um vigilante ainda não foi fiscalizada pela PF. Na capital, a adesão à greve é de 40% a 50%.

19/03/2012 - GREVE DOS VIGILANTES CONTINUA ATÉ AMANHÃ QUANDO HAVERÁ UMA AUDIÊNCIA NO TRT/RJ


ASSEMBLÉIA DECIDE PELA CONTINUAÇÃO DA GREVE ATÉ AMANHÃ


Assembléia de vigilantes realizada hoje pela manhã decidiu que a categoria continua em greve até amanhã (terça), às 14h, quando haverá uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho do Rio (TRT/RJ), por consequência do pedido de dissídio coletivo feito pelo Sindicato das Empresas de Segurança. Se houver acordo a greve termina e os bancos em todo estado voltam a funcionar normalmente. Os 50 mil vigilantes do Rio querem 10% de reajuste salarial, R$16,50 no tíquete-refeição, pagamento dos 22% restantes do risco de vida e plano de saúde pago pelas empresas a titulares e dependentes. O sindicato patronal ofereceu somente a reposição da inflação.

De Norte a Sul do estado cresce o número de pessoas que procuram as casas lotéricas para pagar suas contas devido ao fechamento de mais de 600 agências bancárias. Em Nova Iguaçu os 38 bancos da cidade estão fechados e três bancos foram interditados no Centro pela Polícia Federal porque insistiam em funcionar com apenas um vigilante, o que é proibido por lei. Em Macaé agências que estavam funcionando com um agente também foram obrigadas a fechar sob pena de serem multadas.

Já no Sul Fluminense, que compreende 17 municípios, todos os bancos estão fechados porque não há vigilantes para fazer a segurança de clientes e funcionários. No Rio, a maioria dos bancos que insistem em funcionar com apenas um vigilante ainda não foi fiscalizada pela PF conforme determina portaria do Ministério da Justiça, baseada na Lei Federal 7.102/83.

Os 15 sindicatos de vigilantes se reuniram hoje(19) com a Federação da categoria para decidir as estratégias do movimento grevista para os próximos dias.


16/03/2012 - GREVE DE VIGILANTES FECHA AGÊNCIAS EM TODO ESTADO

A greve dos vigilantes atinge seu 5° dia com 80% dos bancos fechados em todo estado. Em Campos, São Fidélis e Santo Antônio de Pádua, no Norte Fluminense, cerca de 60 agências fecharam as portas por falta de segurança. Apenas os caixas eletrônicos foram liberados para não prejudicar a população. Em Macaé e Região dos Lagos 32 bancos continuam fechados desde o início da greve na última segunda-feira, dia 12. Já na Região Serrana, 27 bancos não funcionaram porque os vigilantes aderiram ao movimento grevista. Os vigilantes querem 10% de reajuste, tíquete refeição de R$ 16,50 e os 22% restantes de Risco de Vida (de um total de 30%) divididos em 2 parcelas de 11%, além de plano de saúde para titulares e dependentes.




Também cruzaram os braços os vigilantes de Nova Iguaçu, Caxias, Belford Roxo e Queimados na Baixada, totalizando 80 agências fechadas, provocando um reforço da Polícia Militar na região dos bancos. Entretanto, o auto-atendimento está liberado pelos grevistas. No Centro de Nova Iguaçu a Polícia Federal interditou três agências do Itaú que insistiam em funcionar com apenas um vigilante, o que é proibido por lei. As lotéricas começam a ficar sobrecarregadas com o público que antes pagava suas contas nos bancos.




No Centro do Rio, Zona Oeste e Zona Sul muitas agências funcionaram internamente com um vigilante, deixando de atender os clientes. Com objetivo de proteger usuários e funcionários, o Sindicato do Rio solicitou à Delegacia de Controle de Segurança Privada da Polícia Federal que fiscalize e interdite os bancos que atendem os clientes sem cumprir o plano de segurança bancária previsto na Lei Federal 7.102/83.

No Sul Fluminense houve 100% de adesão com agências bancárias de 17 municípios fechadas, entre elas as de Volta Redonda, Barra Mansa, Resende, Barra do Piraí, Barra Mansa, Itatiaia, Parati, Pinheiral, Piraí, Mendes, Porto Real, Quatis, Rio Claro, Angra dos Reis, Valença e Rio das Flores.

  ASSEMBLÉIA GERAL SEGUNDA-FEIRA PARA DECIDIR  RUMOS DO MOVIMENTO              



Neste domingo haverá reunião entre os trabalhadores e os donos das empresas de segurança para retomar as negociações. Na segunda-feira, toda categoria está convocada para uma assembléia geral na capital, Baixada e interior do estado, às 7 h, para decidir os rumos do movimento. No Rio, os vigilantes se reúnem na Candelária.

15/03/2012 - PF CONTRARIA LIMINAR E DIZ QUE BANCOS TÊM QUE CUMPRIR PLANO DE SEGURANÇA

Consultada por uma rede de bancos, a Coordenadoria Geral de Controle de Segurança Privada da Polícia Federal, em Brasília, emitiu parecer determinando que as agências bancárias cujos vigilantes estão em greve no Rio, desde segunda-feira (12/3), só poderão funcionar se tiverem o número de vigilantes suficientes previstos no plano de segurança bancária, conforme estabelece a portaria n° 133 da Diretoria Geral do órgão – baseada na Lei Federal 7.102/83. O parecer contraria liminar da desembargadora Mery Bucker Caminha do TRT/RJ, concedida ao Sindicato das empresas de Segurança do Rio, determinando que uma agência bancária pode funcionar com apenas um vigilante. O parecer da PF em Brasília diz ainda que durante a greve os vigilantes poderão ser substituídos por policiais militares nas agências bancárias.


A Federação Estadual dos Vigilantes entregou hoje (15/03) documento à Polícia Federal reiterando uma rigorosa fiscalização nas agências que estão descumprindo a legislação do plano de segurança bancária, sob pena de interdição do banco.


Segundo o presidente da Federação, Fernando Bandeira, é um absurdo uma agência prestar serviços com apenas um vigilante, colocando em risco a segurança dos clientes e funcionários. De acordo com o vice-presidente do Sindicato do Rio, Antônio Carlos de Oliveira, a greve da categoria atingiu hoje (15/03) cerca de 70% do efetivo na capital e mais de 80% no interior fluminense. Em todo o Estado são 50 mil vigilantes, sendo 35 mil só na capital. Hoje, mais de 500 vigilantes percorreram o Centro da cidade e a Zona Oeste convocando a categoria a aderir à greve geral.


“Estamos percorrendo todos os postos, agências bancárias e empresas privadas no município do Rio motivando a categoria a participar do movimento, sem desanimar. Todos os que estão aqui são heróis”, ressaltou Antônio Carlos, vice-presidente do Sindicato. Informou também que os vigilantes que forem punidos pelas empresas terão assistência  jurídica do sindicato.


Os vigilantes querem 10% de reajuste salarial, tíquete refeição de R$ 16,50 e os 22% restantes de Risco de Vida (de um total de 30%) divididos em 2 parcelas de 11%, além de plano de saúde para trabalhadores e dependentes. A greve continua nos próximos dias até que o Sindicato Patronal reabra as negociações com os 15 sindicatos de vigilantes distribuídos por todo Estado do Rio de Janeiro.

13/03/2012 - SEM DATA PARA TERMINAR VIGILANTES CONTINUAM EM GREVE

Saiu no Jornal Povo do Rio:

Vigilantes cruzam os braços no Rio

 Categoria inicia greve por tempo indeterminado. Bancos,sem segurança, podem até fechar nos próximos dias

 Colaboração de Tamiris Rodrigues

Iniciou ontem por tempo indeterminado a greve dos vigilantes bancários do Estado do Rio de Janeiro. E os principais motivos da paralisação são o reajuste salarial de 10% e melhoria nas condições de trabalho, segundo o vice-presidente do Sindicato dos Vigilantes e Empregados em Empresas de Segurança (Sindvig), Antonio Carlos Silva de Oliveira. "A greve começou hoje (ontem) em todo o Estado do Rio de Janeiro por tempo indeterminado, essa foi a decisão das várias assembléias que ocorreram no dia primeiro de março no Rio de janeiro", explicou o sindicalista.

Entre as principais reivindicações da greve estão: reajuste salarial da inflação mais 10% de ganho real, o reajuste do ticket de refeição de R$8,85 para R$ 16,50, os 30% do risco de vida, que hoje é de apenas 8% e assistência médica para os vigilantes e os dependentes.

De acordo com Antonio Carlos, durante todo o dia de ontem, houve várias concentrações de vigilantes se manifestando no Estado. "As concentrações hoje (ontem) estão acontecendo em vários pontos da cidade, algumas delas estão ocorrendo de Santa Cruz até o Centro da Cidade." Mesmo com a paralisação dos vigilantes, algumas agências abriram, no entanto o vice-presidente do Sindicato ressalta que algumas medidas já estão sendo tomadas com relação a isso. "Em algumas agências os gerentes insistem em abrir com apenas um vigilante, com um efetivo menor, porém nós já estamos notificando o departamento jurídico.

O sindicato foi à Polícia Federal notificar as autoridades a respeito dessas agências que insistem abrir com um vigilante só. Também notificamos o sindicato patronal e o sindicato dos bancos para evitar esse tipo de procedimento, porque um vigilante é para garantir a compensação bancária, não é para garantir a abertura das agências. São dois aspectos diferentes pois, legislação atual coloca como atividade essencial a compensação bancária e não o atendimento bancário", afirmou ele.

Ainda de acordo com Antonio Carlos, o sindicato patronal vem tendo uma postura intransigente. "Infelizmente o sindicato patronal não tem sentado para conversar, faltou nas duas últimas mesas redondas marcadas no Ministério do Trabalho, o próprio órgão chamou as duas parte para tentar um acordo, e eles não compareceram. Eles estão tendo uma postura muito ruim na negociação até este momento, uma postura intransigente.

Então, esperamos que, com o início da greve, eles venham a nos convocar para voltar a negociar, porque dessa vez estão juntos os 15 sindicatos do Estado, aguardando o sindicato patronal convocar para uma nova negociação." O vice-presidente do Sindicato dos Vigilantes acrescentou também que ontem cerca de 50% do efetivo já tinha aderido à greve. "O efetivo total no Estado gira em torno de 50 mil, então hoje(ontem) devemos ter em torno de 50% do efetivo paralisado, e a expectativa é que com o decorrer dos dias a demanda aumente ainda mais", finalizou.




13/03/2012 - EM CAMPOS GREVE DOS VIGILANTES PARAM BANCOS E LOTÉRICAS



No calçadão do Centro de Campos, houve uma manifestação dos vigilantes. Eles pedem reajuste salarial acima da inflação com ganho real de 10%, além de melhorias nas condições de trabalho, como aumento no valor do ticket refeição e assistência médica.

Segundo o Sindicato dos Vigilantes do Rio de Janeiro, a greve afeta os serviços que contam com vigilantes vinculados a empresas de segurança como bancos, hospitais, lojas e shoppings. De acordo com o sindicato, são cerca de 50 mil vigilantes no estado, sendo 35 mil na capital. Ainda segundo a organização, a estimativa é que 60% da categoria tenha aderido à paralisação.



12/03/2012 - VIGILANTES CRUZAM OS BRAÇOS RIO DE JANEIRO

Os vigilantes decidiram cruzar os braços até que as negociações envolvendo a campanha salarial 2012/2013 avancem, já que o Sindicato patronal se mostrou intransigente no decorrer das negociações, não comparecendo às duas mesas redondas marcadas pelo Ministério do Trabalho nos dias 16 e 29 de fevereiro. A greve conta com 15 sindicatos que representam a categoria junto à Federação e a Confederação dos Vigilantes. Os vigilantes reivindicam ganho real no valor de 10%, tiquete refeição de R$ 16,50 com desconto que iria de 20 para 5%, 30% de risco de vida e plano de saúde para os vigilantes e dependentes.



Segundo o vice-presidente Antonio Carlos o foco do movimento no Rio de Janeiro, são as agências bancárias. Segundo avaliou, neste ano, o movimento grevista começou com mais sucesso que em relação ao ano anterior conseguindo adesão em bairros que não foram atingidos anteriormente como Cascadura, Rocha Miranda, Madureira, Realengo, Bangu, Jacarepaguá, entre outros.

O que pode prejudicar a greve é a liminar concedida pelo TRT ao Sindicato patronal (Sindesp) autorizando a abertura dos bancos com apenas um vigilante o que fere a Lei da Segurança privada que diz que os bancos só podem funcionar com no mínimo dois vigilantes. O Sindicato encaminhou ofício à Policia Federal para que fiscalize as agências e impeça que funcionem com apenas um vigilante.

 

 ----------------------------------------------------

Em Itaguaí das 15 agencias somente 2 estão funcionando com adesão de 82% dos vigilantes.

Em Campos dos Goytacazes a liminar do SINDESP que permite que o banco funcione com um vigilante causou transtorno aos grevistas.

Em Volta Redonda com 16 cidades na base, conseguiram adesão de 45% em 6 cidades por enquanto. Os vigilantes pararam principalmente Indústrias e agências do INSS.

Em Mesquita e Nilópolis – 100% dos bancos parados e algumas empresas: MRS e São Geraldo (transporte de cargas).

Nova Iguaçu – 98% de adesão nos bancos. Somente duas agências do Itaú abriram.

Belford Roxo / Queimados – Pararam as agências bancárias, postos da CEDAE e do INSS.

Nova Friburgo e região com 11 cidades conseguiram parar as agências do Banco do Brasil e Caixa Econômica.

 

A categoria continua em greve por tempo indeterminado.

08/03/2012 - URNA ELETRÔNICA: FRAUDE NO SISTEMA ELEITORAL BRASILEIRO

PORQUE BANDEIRA NÃO É CANDIDATO EM 2012, COMO NÃO FOI EM 2010

O presidente do Sindicato, Fernando Bandeira, foi um dos fundadores do PDT ao lado do saudoso companheiro Leonel Brizola, que governou o Rio Grande do Sul (antes de 1964) e o Rio de Janeiro por dois mandatos. Bandeira foi eleito deputado estadual pelo PDT também por dois mandatos (1983 a 1991). Foi Juiz Classista representando os trabalhadores no Tribunal Regional do Trabalho, de 1994 a 1997. Aceitou em 1998 o convite de Brizola a se candidatar a deputado estadual nas eleições gerais daquele ano, quando o governador foi vice-presidente na chapa encabeçada por Lula. Entretanto, não se elegeu, apesar da expressiva votação. Foi 1º suplente de vereador em 2000, 3º suplente de deputado em 2002, 3º suplente de vereador em 2004, entre outras eleições que disputou.

Desde 1982, quando o escândalo da Proconsult foi denunciado pelo jornal do Brasil impedindo que a eleição de Brizola fosse roubada, que o PDT vem denunciando o sistema eleitoral brasileiro, cheio de fraudes, com urnas eletrônicas não confiáveis por não permitirem a impresão do voto, o que impede qualquer possibilidade de auditagem. Questionamos o sistema eleitoral brasileiro pelas razões exposta, daí nossa recusa em dele participar.

 

VEJA  O VIDEO DE UM  IMPORTANTE PRONUNCIAMENTO DE UM SÉRIO PARLAMENTAR NA CÂMARA FEDERAL :

O ex-deputado federal Fernando Chiarelli já havia denunciado no plenário da Câmara dos deputados, irregularidades no sistema eleitoral brasileiro.

Segundo o parlamentar, os responsáveis pela formatação e programação das urnas eletrônicas no Brasil são pessoas de reputação duvidosa. No vídeo que você vai assistir, o ex-deputado afirma saber onde adquirir os lacres das urnas, “inclusive com a assinatura dos juízes eleitorais das comarcas do Maranhão.

Vale ressaltar que o Paraguai, nosso país vizinho recebeu doação do governo brasileiro de centenas de urnas eletrônicas e as devolveu, quase que ridicularizando o sistema eleitoral da terra brasilis. Alguns deputados começam uma articulação para banir esse sistema de apuração de votos “inauditável”.

E depois, se fosse assim tão seguro, Estado Unidos e Japão já teriam adotado tais métodos para seus pleitos.

  Assista o vídeo  e veja o quanto nós brasileiros somos alienados da verdade. 

07/03/2012 - JORNAL O VIGILANTE JÁ DISPONÍVEL EM NOSSO SITE

Já está circulando em todos os postos de trabalho e disponibilizado em nosso site a edição numero 165 do jornal O Vigilante.

No canto esquerdo da página principal do nosso site você poderá ver esta e outras edições dos nossos informativos.

CLIQUE, LEIA E SE INFORME

24/02/2012 - Jornal O Vigilante - 165  Páginas 1à 4

06/03/2012 - VIGILANTES ENTRAM EM GREVE A PARTIR DO DIA 12/03

Todos os sindicatos do Estado do Rio de Janeiro que representam os vigilantes se reuniu ontem, na sede da Federação dos Vigilantes e decidiram adiar a greve para o dia 12 de março, por conta de alguns sindicatos do interior do Estado não terem realizado as formalidades exigidas pela lei nº 7783/89, lei de greve.


Reunião na sede da Federação dos Vigilantes, Bairro de Fátima, Centro.


Como essa campanha é marcada pela unidade de todos sindicatos, algo que não ocorria há muitos anos, chegaram ao consenso de alterar a data e unificar o início para o dia 12/03. 


Abaixo os sindicatos que, unitariamente, exigem melhores salários e mais dignidade aos trabalhadores.

Sindicato dos Vigilantes do Município do Rio de Janeiro;
Sindicato dos Vigilantes do Município de Nova Iguaçu
Sindicato dos Vigilantes do Município de Duque de Caxias
Sindicato dos Vigilantes dos Municípios de Belford Roxo e Queimados
Sindicato dos Vigilantes dos Municípios de Mesquita e Nilopolis
Sindicato dos Vigilantes do Município de Volta Redonda e Região
Sindicato dos Vigilantes do Município de Angra dos Reis e Região
Sindicato dos Vigilantes do Município de Petropolis e Região
Sindicato dos Vigilantes do Município Itaguaí e Seropédica
Sindicato dos Vigilantes do Município de Campos dos Goytacazes e Regiões Norte e Noroeste
Sindicato dos Vigilantes de Macaé e Região
Sindicato dos Vigilantes de Nova Friburgo e Região
SINDVALORES - Sindicato dos Vigilantes de Carro Forte e Escolta Armada do Interior do Estado
SINDVERJ - Sindicato dos Vigilantes de São João de Meriti
Sindicato dos Vigilantes de Niterói e Região

05/03/2012 - RJ SEM VIGILANTES A PARTIR DO DIA 12/03

Todos os vigilantes do Estado do Rio de Janeiro entrarão em greve geral a partir do dia 12/03 (Segunda feira). Essa decisão foi tomada hoje (05) em uma reunião de estratégias e encaminhamentos da greve com a Federação dos Vigilantes e a unidade dos 13 sindicatos que representa a categoria.


Lideres sindicais reunidos na Federação dos Vigilantes para traças estratégias da Greve Geral

Os vigilantes reivindicam reajuste salarial inflação mais 10% de ganho real, tíquete refeição de 16,50, desconto do tíquete refeição de 20% para 5%, 30% de risco de vida em março de 2012 e plano de saúde para o vigilante e os dependentes. 

Segundo avaliação, a expectativa é que esta greve atingirá não só os bancos como ocorreu na ultima greve do ano passado, como também hospitais, órgãos públicos, escolas, shopping centers, etc...

Por enquanto os patrões insistem em oferecer apenas a reposição da inflação, 5,6% pelo INPC, tanto no piso salarial quanto no tíquete refeição. Com isso teríamos 0% de ganho real.

Os vigilantes não aceitam 0%. PARALISAÇÃO GERAL DIA 12/03.






29/02/2012 - OPOSIÇÃO VENCE CHAPA EM ELEIÇÃO NO SINDICATO DOS VIGILANTES DE ANGRA DOS REIS

Com apoio da Federação dos Vigilantes do RJ e da Nova Central a Chapa “Contra Attack” venceu a eleição para nova diretoria com mandato 2012/2015 do Sindicato dos Vigilantes de Angra dos Reis, Mangaratiba, Rio Claro e Paraty.


Chapa Contra Attack comemorando a vitória


Insatisfeitos com a atual direção do sindicato, os vigilantes resolveram mudar o modo em que o sindicato atuava com a categoria, e seguindo todos os trâmites para concorrer ao pleito eleitoral, venceram com mais de 63% dos votos.

A CHAPA VENCEDORA TEVE O GRANDE APOIO DA FEDERAÇÃO DOS VIGILANTES DO RJ E DA NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES-NCST.



Segundo o Presidente da Federação, Fernando Bandeira, essa mudança reflete um pouco da insatisfação da categoria que há muito tempo vem sofrendo com a ausência de trabalho do sindicato. “Acredito que a partir de hoje esta nova diretoria trabalhará diuturnamente para melhorar as condições de trabalho dos Vigilantes.”

“A Nova chapa promete lutar por mais conquistas na região da costa verde melhorando as condições de trabalho, tendo mais rigor em fiscalização nas empresas e principalmente reativar a valorização que os vigilantes tem para esta região”.Destaca Sebastião José, Presidente da NCST/RJ.

Chapa eleita

Presidente: Mauricio Conceição Silva,

Secretário Geral: Agnaldo Meneses,

Tesoureiro: Rogério do Nascimento Almeida,

Secretário Jurídico: Alessandro de Castro,

Secretário de Imprensa: Marcio Braga da Silva, 

Secretário de Política Sindical: Eduardo Eucário,

Secretário Social: Miguel Ângelo


24/02/2012 - ASSEMBLÉIA DOS VIGILANTES 1º DE MARÇO 2012

ASSEMBLÉIA DOS VIGILANTES 

1º DE MARÇO

(QUINTA-FEIRA), ÀS 8:00

Rua André Cavalcante,126, Bairro de Fátima. Rio de Janeiro/RJ

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES

1.  REAJUSTE SALARIAL: INFLAÇÃO + 10% DE GANHO REAL;

2.  TÍQUETE REFEIÇÃO DE R$ 16,50;

3.  DESCONTO DO TICKET REFEIÇÃO DE 20% PARA 5%;

4.  30% DE RISCO DE VIDA EM MARÇO DE 2012; e

5.  PLANO DE SAÚDE PARA O VIGILANTE E OS DEPENDENTES.


(21) 3861-7050 / www.sindvig.org.br



Exibindo 267 a 280 de 524« 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 »