• Você está em: 
  • Home
  • Notícias

03/07/2015 - ASSOCIADO JOAQUIM SERÁ SEPULTADO NESTA SEXTA-FEIRA AO MEIO DIA

O SindVigRio informa aos associados e amigos, que o velório do Vigilante, Joaquim Vieira de Souza – morto ontem durante tiroteio no Bradesco da Vila da Penha – será na noite desta quinta feira e manhã de sexta, na Capela J do Cemitério São Francisco Xavier, no Caju. O enterro será realizado ao meio dia.

03/07/2015 - O SINDVIGRIO AFIRMA QUE O VIGILANTE MORTO EM TENTATIVA DE ASSALTO ERA EXPERIENTE

Em entrevista para o programa Balanco Geral da Record, o SINDVIGRIO afirma que o Vigilante morto na tentativa de assalto ao Banco Bradesco era experiente. 

A morte trágica do Vigilante Joaquim Vieira de Souza, dia 30 de junho, na Vila da Penha – associado ao Sindicato há 12 anos – teve grande repercussão na imprensa pela forma da ação dos marginais. O vigilante trabalhava na empresa GP, no banco Bradesco.

Os Bandidos entraram na agência com armas de brinquedo, anunciaram o assalto, e devido à reação de um policial militar à paisana, tomaram o vigilante como escudo humano, sendo atingido. O vigilante não resistiu ao ferimento e morreu no local. Em menos de 24hs essa agência sofreu duas tentativas de assaltos.

No Programa, o SindVigRio afirmou que o vigilante era experiente e que os assaltos vêm acontecendo diariamente em todo Brasil, pela falta de policiamento preventivo. “O objetivo da segurança privada é debelar a ação criminosa na falha da ação preventiva nas ruas. A legislação 7.102/83 está extremamente defasada e ultrapassada. Para melhorar a segurança privada no Brasil é preciso que seja colocado em votação em Brasília o Estatuto da Segurança Privada. É necessário também mais investimento nas agências bancárias colocando mais vigilantes, já que os bancos trabalham com apenas dois, que é o mínimo estipulado na legislação”, concluiu o sindicalista.

 
Clique no link abaixo e assista a reportagem.

http://player.r7.com/video/i/55959841596f99476800070e?layout=wide252p


03/07/2015 - ABONO TEM PAGAMENTO ADIADO

02/07/2015 - FEITO DE ESCUDO, VIGILANTE MORRE EM TIROTEIO NO BRADESCO

NOTA DE PESAR:

O Sindicato dos Vigilantes do Município do Rio lamenta a perda de seu associado, vigilante Joaquim Vieira de Souza, que prestava serviço no Bradesco pela empresa GP. Neste momento de dor, o SindVigRio se solidariza com a família e coloca-se à disposição para o que se fizer necessário.
Joaquim Vieira de Souza (Foto), tinha 48 anos, e deixa mulher e dois filhos maiores. Uma moça de 18 anos e um rapaz de 22 anos.

Abaixo, notícia do meia Hora de hoje (2/07/2015)




01/07/2015 - MUDANÇA NO ATENDIMENTO DO BALCÃO DE EMPREGO DO SINDICATO

A partir do dia 09/07 o Balcão de Empregos atenderá os vigilantes às quintas-feiras, na Rua André Cavalcante, 126 - Bairro de Fátima – Centro, a partir das 8:30h, com a diretora Denise.

Às terças-feiras a partir das 8:00h, na subsede Campo Grande, na Rua Albertina, nº 70, próximo à Estação Ferroviária – com o diretor Paulo.

Para ser atendido é preciso chegar cedo, pois são distribuídas 50 senhas por dia. 

O candidato assiste uma palestra ministrada pela diretora Denise Vigilante sobre postura na hora da entrevista, orientações sobre dinâmica de grupo e dicas importantes para se destacar na sua carreira.É preciso que o candidato à vaga traga a relação de documentos abaixo:

  • RG e CPF (original)
  • PIS – Cartão do Cidadão ou certificado de inscrição na caixa
  • Certificado de reservista ou prova de alistamento militar
  • Titulo de eleitor – comprovante de quitação eleitoral
  • Certificado escolar ou histórico escolar
  • Certificado de cursos realizados
  • 1 foto 3x4 atualizada
  • Carteira de trabalho original
  • Comprovante de residência( no nome do candidato / cônjuge / pais)
  • Ata – primeira formação de vigilante devidamente registrada no DPF
  • Reciclagem de vigilante atualizada (se possuir)
  • Registro de vigilante da Polícia Federal, na CTPS
  • CNV – Carteira Nacional de Vigilantes (quem tiver)

01/07/2015 - ASSALTANTES FAZEM 27 REFÉNS EM BANCO, INCLUSIVE 3 VIGILANTES

Dia 30 de junho, na Taquara, seis bandidos armados invadiram uma agência da Caixa Econômica Federal fazendo 24 reféns entre clientes, funcionários e vigilantes. Os bandidos entraram no banco com armas de plástico para não travar o detector de metais das portas giratórias, tomaram as armas dos três vigilantes, porém um funcionário conseguiu acionar a Polícia Militar, que enviou equipes do 18º BPM.

Quando os PMs cercaram a agência, houve troca de tiros, e cinco criminosos conseguiram escapar, sendo que um deles baleado, fugiu de moto.  Os policiais do Grupo de Resgate do Bope entraram na agência e logo identificaram um suspeito, que se passava por cliente, com uma pistola de calibre 40 que seria do vigilante e a mochila com o dinheiro roubado do banco.

Em casos de assaltos em bancos, o SindVigRio recomenda aos vigilantes que redobrem a atenção, mas não devem reagir a tentativas de assalto, já que nas agências há clientes e na troca de tiros, pode haver mortes. 

 

30/06/2015 - GABRIEL LUCAS EMBARCA PARA LONDRINA BUSCAR O BRASILEIRO

O lutador Gabriel Lucas lutador de Taekwando embarca esta semana para londrina buscar o Campeonato Brasileiro. A vitória garantirá 20 pontos no Ranking Nacional e o Bolsa Atleta, se ficar entre os 3 primeiros colocados.

 

        

                                 Gabriel agradece ao SINDVIGRIO e busca novos patrocinadores

 

Entre os dias 11 e 12 de julho, a cidade de Londrina, no Paraná, será palco de uma das mais importantes competições das categorias de base do taekwondo nacional.

 

O evento, que contará com disputas em torneios individuais e por equipes, tanto no masculino como no feminino, será realizado no Ginásio de Esportes Moringão.

                 

 O Campeão Gabriel Lucas com o presidente Antonio Carlos, mostra as três medalhas do Estadual de Taekwondo.

 

Filho de Vigilante associado ao SINDVIGRIO, Gabriel Lucas, entrou para as artes marciais em 2009 com 13 anos. Hoje, com 18 coleciona mais de 20 medalhas em sua maioria com medalhas de ouro.

 

O lutador já ganhou as 3 etapas do Campeonato Estadual faltando apenas a 4ª etapa no final do ano para garantir a Copa do Brasil.

 

A Diretoria do Sindicato deseja boa luta e boa sorte ao Gabriel Lucas!

  

Fonte: CBTKD; MedalhaBrasil

30/06/2015 - TERCEIRIZAÇÃO - A ESCRAVIDÃO DO TRABALHADOR NO SÉCULO 21

Sexta feira, dia 26 de junho, ocorreu na ALERJ, a 5ª Audiência Pública sobre o PLC 30 em defesa dos direitos dos trabalhadores ameaçados pela terceirização. Conduzida pelo Senador Paulo Paim do PT/RS, com apoio do deputado estadual Paulo Ramos, do Psol, a Audiência Pública lotou o auditório e galerias da Alerj.  Prestigiaram o ato trabalhadores de vários sindicatos, federações, e centrais sindicais, além de entidades como Anamatra, OAB, MPE e M.T.E, entre outras.

 

O PL é combatido pelos sindicalistas porque fragiliza as relações trabalhistas, já que o terceirizado trabalha mais, ganha menos e sofre mais acidentes de trabalho, tendo freqüentemente seus direitos desrespeitados. Um exemplo do caráter nocivo da terceirização foi dado pelos trabalhadores do consórcio Alusa/Alumini que está em recuperação judicial e deixou cerca de 3.000 trabalhadores, alguns presentes na Audiência, sem as rescisões trabalhistas, férias e FGTS.




O senador Paulo Paim tem percorrido o país para alertar sobre o perigo do PLC 30, que uma vez aprovado, remete as relações de trabalho para o século XIX.


O Sindicato e a Federação dos Vigilantes participaram do evento, através do Presidente Antônio Oliveira e Sérgio Silva, além do Diretor Nacional de Organização Política da Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST), Fernando Bandeira, também diretor do SindVigRio, lembrado no ato pelo senador por ter sido deputado em dois mandatos na Alerj.






 

29/06/2015 - OFICIAIS DO EXÉRCITO RECEBERIAM PROPINA PARA AUTORIZAR VENDA DE VIDRO

Fraude em autorização do Exército para blindados coloca vidas em risco

Quem compra um carro blindado pensa que está protegido, que um ladrão pode atirar e a bala não vai passar. Mas uma fraude está colocando em risco a vida de muita gente que conta com a eficiência da blindagem.

clique no link abaixo e assista a matéria completa.

http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2015/06/fraude-em-autorizacao-do-exercito-para-blindados-coloca-vidas-em-risco.html

Tem empresa que está sendo acusada de pagar propina a oficiais do alto escalão do Exército para receber autorização para vender vidros blindados, e até capacetes militares, que simplesmente não cumprem o que prometem. Se alguém atirar, a bala vai passar.

Por dois meses, os repórteres Maurício Ferraz e Diego Zanchetta investigaram essa grave denúncia de corrupção.

Quando o trânsito fica parado, muito motorista faz o seguinte: olha para um lado, olha para o outro e fica atento no retrovisor. O medo é que apareça algum ladrão.

Na capital paulista, a média é a seguinte: cinco carros são roubados por hora. Uma coisa passa pela cabeça: e se o bandido resolve dar um tiro?

Blindar o carro para se proteger. É isso o que muitos empresários, artistas, autoridades e profissionais de vários tipos fazem em todo o país.

Acham que estão seguros, mas pode não ser bem assim. O Fantástico revela que oficiais do Exército são suspeitos de receber propina para liberar a venda de vidros que não cumprem o prometido, não protegem como deveriam.

“Uma verdadeira fraude contra o consumidor que estava se operando”, diz o procurador da Justiça Militar Cláudio Martins.

Explosivos, armas, carros blindados. Quem fiscaliza esse tipo de produto controlado é o Exército. Tem que fazer todos os testes e só liberar para a fabricação e venda se estiver tudo correto.

Deveria ser sempre assim. Mas Laudenir Bracciali, presidente da Abrablin, a Associação Brasileira das Empresas Blindadoras, conta que ele próprio já teve que pagar propina a um militar.

29/06/2015 - FÓRMULA 85-95 ATÉ PARA QUEM JÁ SE APOSENTOU

Priscila Belmonte - EXTRA - 28/06/2015

 

 Foto: Priscila Belmonte

A analista de sistemas Maria Manuela esperou seis anos para se aposentar, na expectativa de a Fórmula 85/95 entrar em vigor

 

 

Desejo de voltar no tempo. Foi o que sentiram os aposentados do INSS que tiveram suas rendas iniciais achatadas pelo temido fator previdenciário — espécie de redutor usado para calcular os benefícios nos últimos anos —, ao saberem da aprovação da Fórmula 85/95, que vai livrar os futuros beneficiários da Previdência Social dessa redução. O que muitos não sabem é que nem tudo está perdido, se o benefício é recente. É possível cancelar a aposentadoria requerida antes da mudança implantada na semana passada e se beneficiar da regra nova, desde que a pessoa ainda não tenha sacado o primeiro pagamento e até o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), liberado quando o trabalhador sai da ativa. Basta ir à agência do INSS que concedeu o benefício, fazer uma carta de próprio punho e pedir o cancelamento.

Outra possibilidade favorece quem agendou o pedido de aposentadoria antes de 18 de junho, quando começou a valer a Fórmula 85/95 — em que a soma da idade e do tempo de contribuição deve dar 85 (mulher) e 95 (homem) —, mas ainda não concretizou o requerimento na agência. Neste caso, basta comunicar ao INSS sobre sua decisão, fazendo outro pedido.

A revolta é maior nos casos em que é difícil reverter o benefício concedido. Apesar de ter completado as condições de se aposentar em 2008 (30 anos de contribuição), aos 48 de idade, a analista de sistemas Maria Manuela Cavalcante, hoje com 54, aguardou seis anos para se aposentar, na expectativa de aprovação da Fórmula 85/95 — que garante um benefício integral, com base na média dos recolhimentos. Ela, porém, desistiu de esperar e teve a aposentadoria liberada em 19 de fevereiro de 2014. A fórmula só foi aprovada este ano. Ela, então, pediu uma revisão ao INSS, mas já espera pelo indeferimento.

— Sempre contribuí para a Previdência Social pelo teto e, apesar de a média das minhas contribuições ter dado R$ 3.713 (perto do teto da época), tive o benefício reduzindo pelo fator, ganhando apenas R$ 2.927. Se fosse hoje, eu me aposentaria perto de R$ 4.663. Entrei com o pedido administrativo no INSS, mas já me adiantaram que provavelmente será negado. O jeito será entrar na Justiça pedindo a desaposentação, já que trabalho até hoje para complementar a renda — desabafou Maria Cavalcante.

 

Esclareça suas dúvidas

O que tem ocorrido com frequência é que muitos segurados do INSS confundem a soma de pontos 85 (mulher) e 95 (homem) com a idade que serão obrigados a ter para se aposentar. Segundo uma fonte do instituto, essa é a principal dúvida entre as pessoas que têm procurado as agências da Previdência Social. Por isso, é importante esclarecer que 85/95 é a soma da idade com o tempo de contribuição. Não há idade mínima para ter o benefício.

Outra dúvida comum é se a soma pode ser composta por uma idade elevada, com um tempo de contribuição menor, de 15 anos, por exemplo. Neste caso, não é possível. O tempo mínimo de recolhimento para a concessão do benefício, mesmo pela Fórmula 85/95, continua sendo de 30 anos de contribuição (mulheres) e 35 (homens). Portanto, não adianta uma mulher ter 58 anos de idade e 27 de contribuição, por exemplo, pois o benefício não será concedido.

 

Mais uma alternativa

No caso de quem já se aposentou há mais tempo, mas gostaria de aumentar o valor de seu benefício porque continua trabalhando — e contribuindo para a Previdência Social —, só é possível ter sucesso por meio de uma ação na Justiça.

 

A chamada desaposentação — troca da aposentadoria antiga por outra maior, com base nos novos recolhimentos — ainda está em fase de análise no Supremo Tribunal Federal (STF) e gera polêmica entre os tribunais e os aposentados.

O advogado Eurivaldo Neves Bezerra afirma que o raciocínio da Medida Provisória 676, que estabeleceu a Fórmula 85/95, é similar ao da desaposentação. Ele, porém, orienta os segurados a terem cautela, pois ainda não há uma lei que garanta a troca:

— Vale esperar uns meses para decidir entrar com a ação sem maiores riscos.

Pesidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), Jane Berwanger reforça que a desaposentação ficou mais vantajosa:

— Uma mulher que se aposentou aos 50 anos de idade e 30 de contribuição, e que continuou contribuindo para o INSS por mais cinco anos, teria um ganho de 37%, antes da Fórmula 85/95. Agora, passa a ter um ganho de 72%.

A documentação para ajuizar uma ação é cópia do Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS), carta de concessão do benefício e cálculo para demonstrar que a troca aumentará o benefício.

 

 

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/economia/formula-8595-pode-beneficiar-ate-quem-ja-se-aposentou-pelo-inss-16574910.html#ixzz3eTrFmNM2

25/06/2015 - APOSENTADOS DO INSS TERÃO GANHO REAL

MAX LEONE - O DIA

A emenda à proposta que iguala a correção para todos os aposentados, independente do valor do benefício, foi mantida por 206 votos a 179. Com a decisão, o mecanismo de valorização do mínimo vai corrigir todos os benefícios do INSS pelo INPC do ano anterior mais o Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. Assim, abre possibilidade para que mais aposentados tenham aumento real, caso a economia do país apresente desempenho melhor e volte a crescer.

Agora, a MP aprovada seguirá para votação em plenário do Senado. Como a medida sofreu alteração com emendas vai ser apreciada pelos senadores na forma de Projeto de Lei de Conversão (PLC). Caso também seja aprovado, será enviado à Presidência da República para ser vetado ou sancionado. 

O autor da emenda que estendeu o reajuste acima da da inflação aos aposentados que ganham mais, o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), comemorou a vitória contra o governo. Ele lembrou que o último ano em que esse segmento da categoria teve ganho real foi em 2010, ainda no governo Lula. De lá para cá, os benefícios desses aposentados do INSS foram corrigidos apenas pelo INPC acumulado. 

“Tínhamos expectativa muito grande com essa votação. Agora vamos lutar pela política de valorização dos idosos do país”, afirmou Faria de Sá logo após a votação. 

Ontem foi rejeitada emenda do deputado Marco Tebaldi (PSDB-SC) que previa a aplicação da média do PIB dos últimos cinco anos na regra de correção do mínimo se o indicador de dois anos anteriores fosse menor que a média.

O deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) comemora a correção acima da inflação 

Esforços agora voltados para o Senado 

Apesar da alegria pela aprovação da emenda que estende a correção do mínimo a todos os aposentados e pensionistas do INSS, sem levar em conta o valor dos benefícios, representantes dos segurados já estão preocupados com a tramitação no Senado. Mesmo considerando que terão boas chances de aprovação, o objetivo é trabalhar para conscientizar os senadores a aprovarem a proposta.

O presidente da Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas (Cobap), Warley Martins, ressaltou que se passar pelo Senado, a extensão do reajuste acima da inflação será mais um desgaste que a presidenta Dilma terá que enfrentar.

Mínimo será de R$ 855 

Mantida a regra de valorização do salário mínimo — a proposta foi aprovada ontem por 287 votos contra 12 —, o valor do piso nacional previsto para o ano que vem no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) é de R$ 855. Em maio, o ministro do Planejamento Nelson Barbosa, anunciou uma correção de R$ 1 para a previsão inicial do salário que seria de R$854, que constava inicialmente na LDO entregue em abril ao Legislativo.

A correção representa um aumento de 8,5% sobre o atual valor do salário mínimo que é de R$ 788. O percentual, desta forma, deverá ser repassado a todos os 32,3 milhões de aposentados, pensionistas e segurados do INSS em todo o país a partir de 1º de janeiro de 2016.

Dúvida: aposentadoria especial

Em continuação às respostas para dúvidas dos leitores sobre a nova fórmula de cálculo dos benefícios previdenciários, O DIA e o Ieprev (Instituto de Estudos Previdenciários) esclarecem hoje questões referentes a aposentadoria especial e por insalubridade. Outras perguntas podem ser encaminhadas para o e-mail  economia@odia.com.br .

RICARDO ALEXANDRIA: Como fica a nova regra para aposentadoria especial por periculosidade?

IEPREV: – A aposentadoria especial continua sendo devida aos segurados que trabalharam por 15, 20 ou 25 anos em exposição a agentes nocivos à saúde humana. O tempo reduzido varia de acordo com o tipo da atividade exercida. Ressalto que na aposentadoria especial não há incidência do fator previdenciário, logo, a nova fórmula que afasta a aplicação do fator não interferirá na aposentadoria especial.

RANIERI RANGEL SALVADOR: Me aposentei em 2014, aos 50 anos de idade e 36 de contribuição. Tinha 30 anos de empresa, dos quais 17 eram insalubres. Converti e consegui os 36 anos, juntando um ano de quartel. Continuo na mesma empresa, e pretendo ficar até os 55 anos. Poderei pedir a desaposentação e entrar na nova regra (85/95), pois estarei com 96 anos?

Sim. Caso o tempo total convertido mais a idade do segurado aposentado somar 95 ou mais, será possível requerer a desaposentação judicialmente. Sendo que em caso de êxito não haverá incidência do fator previdenciário. Lembrando que a fórmula 85/95, pela atual legislação (MP 676/15), vale até o final de 2016, visto que em 01/01/2017 ocorre a progressão para 86/96.

MARIA IZABEL BARREIROS: Tenho 48 anos e trabalho como vigilante desde 1992. Posso pedir aposentadoria especial quando completar 25 anos de serviço? 

Sim, existe esta possibilidade. Contudo, o INSS não costuma reconhecer os períodos de vigilante após 28/04/1995 como especiais, cabendo ao segurado buscar este reconhecimento na via judicial.

VIL ALEGRE: Trabalho em hospital há 25 anos. Gostaria de saber se a insalubridade conta para a aposentadoria. 

A aposentadoria especial continua sendo devida aos segurados que trabalharam por 15, 20 ou 25 anos em exposição a agentes nocivos à saúde. O tempo reduzido varia de acordo com a atividade. No caso do trabalho em hospital, a aposentadoria especial é devida aos 25 anos de tempo de contribuição e deverá ser requerida junto ao INSS.


25/06/2015 - DIRIGENTES SINDICAIS RECEBIDOS PELO SENADOR CRIVELLA

O Senador Marcelo Crivella do PR/RJ, recebeu hoje, 25/06, dirigentes sindicais da Nova Central de Trabalhadores do Rio, das Federações e Sindicatos a ela filiados para apresentar sua posição sobre o PLC 30/15 que tramita no Senado. O PL expande de forma ampla, geral e irrestrita a terceirização no Brasil, inclusive nas atividades-fim das empresas.

Sindicalistas do Rio querem apoio de Crivela contra o PLC 30/15

Os dirigentes sindicais apresentaram os pontos negativos do projeto que estão relacionados à redução dos direitos trabalhistas duramente conquistados ao longo dos tempos. Por este projeto os trabalhadores trabalham mais, ganham menos, podem ser sub-contratados pelas empresas, que se preocupam muito mais com a redução de seus custos que com os direitos dos trabalhadores. 

              

             Em reunião com Senador Crivella sindicalistas pontuam falhas no projeto

O Senador concordou com os argumentos dos sindicalistas, dizendo que combate o PL no Senado e tudo fará para que seja rejeitado integralmente. Informou que a terceirização é objeto de seus estudos como parlamentar, tendo inclusive um projeto sobre o tem a que é o PLS 300/15.

             

                                Senador Marcelo Crivella apoia a classe trabalhadora

Outras audiências com os Senadores Romário e Lindeberg Faria estão para serem marcadas.

24/06/2015 - CRIVELLA RECEBE SINDICALISTAS PARA DEBATER TERCEIRIZAÇÃO

O senador Marcelo Crivella do PRB do Rio terá audiência com lideranças sindicais da Nova Central Sindical / RJ e de 10 Federações de Trabalhadores, entre as quais a Federação dos Vigilantes.  O encontro será nesta quinta-feira (25), às 10 horas, no escritório regional do senador Crivella, na Zona Norte do Rio.

Na ocasião será discutido o PLC 30/15 de autoria do ex-Deputado Federal Sandro Mabel do PMDB de Goiás que expande de forma ampla, inclusive nas atividades-fim a terceirização no Brasil. O projeto é extremamente nocivo ao trabalhador tendo como conseqüência o desrespeito aos direitos trabalhistas com a diminuição dos salários, subcontratações, aumento das horas trabalhadas e da rotatividade no emprego.

 

23/06/2015 - SINDVIGRIO DEBATE TERCEIRIZAÇÃO NA ALERJ COM SENADOR PAULO PAIM

O Sindicato dos Vigilantes do Município do Rio de Janeiro foi convidado pelo Senador Paulo Paim para debater em audiência publica no dia 26/06, às 14hs na ALERJ a situação dos trabalhadores que serão prejudicados por este novo modelo de terceirização aprovado na Câmara dos Deputados.

 

O Fórum em defesa dos direitos dos trabalhadores ameaçados pela terceirização foi criado para buscar e ampliar a participação dos sindicatos e das entidades do Fórum envolvendo mais amplamente todas as Centrais Sindicais, as entidades da sociedade e, nestas, em especial os trabalhadores e trabalhadoras terceirizadas e precarizadas.

 

Comparecerão na audiência representantes do SINDVIGRIO e da Federação dos Vigilantes do Rio de Janeiro.

 

Jornal O Dia 23/006/2015



Exibindo 1 a 14 de 645 1 2 3 4 5 »