• Você está em: 
  • Home
  • Notícias

22/06/2016 - TROCA DO ARMAMENTO DA SEGURANÇA PRIVADA É O TERCEIRO ASSUNTO MAIS PEDIDO NO SENADO FEDERAL

.

21/06/2016 - SOLIDARIEDADE AOS AMIGOS E FAMILIARES DE RONALDO LUIZ MARRIEL

.


21/06/2016 - SINDICATO MARCA PRESENÇA NA HOMENAGEM DO DIA NACIONAL DOS VIGILANTES

            O Instituto Nacional de Trauma Ortopedia - INTO, homenageou os vigilantes no dia Nacional dos Vigilantes (20/05) e convidou o SINDICATO para assim representar de fato os trabalhadores vigilantes. Os diretores Antonio Carlos, Ocimar, Ronaldo e Leandro estiveram presentes à homenagem.

            Antonio Carlos, presidente do SINDICATO, em sua fala disse da dificuldade do mercado, na segurança privada. É preciso urgentemente mudar a forma de contratação por pregão eletrônico, que acaba, muitas vezes, privilegiado e fomentando empresas que não respeitam os direitos dos trabalhadores.


Antonio Carlos discursa para trabalhadores e empresários do setor de segurança privada

SURGIMENTO DA CATEGORIA

             A categoria surgiu em 1969 através de um decreto presidencial, na época ainda da ditadura militar, exigindo que os bancos tivessem vigilância privada. A partir daí começou a nossa atividade profissional.

            Em 1983 com o surgimento da lei 7.102, lei que regulamenta a segurança privada no país, foi estabelecidos critérios para formação e regulamentação da profissão. "Infelizmente esta lei está desatualizada e precisa ser atualizada".

ESTATUTO DA SEGURANÇA PRIVADA

            O Sindicato dos Vigilantes do Município, juntamente com a Federação Estadual do Rio e com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Segurança Privada, estão lutando em Brasília, para que seja aprovada o Estatuto da Segurança Privada.

            "Da nossa parte, este estatuto deve ser uma nova legislação que deve proteger mais os trabalhadores. Mudança nos equipamentos, armamentos, mudança na escolta armada, transporte de valores, da segurança patrimonial com um todo, devem ser revista e atualizadas. Infelizmente hoje, nós estamos vivendo uma verdadeira guerra civil".

GUERRA CIVIL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

            Estamos vivendo uma guerra civil, com áreas deflagradas, onde é uma guerra nos padrões diferentes que a historia nos ensina. Estamos diariamente enfrentando o crime com armamentos pesados, armamento de guerra. Hoje, os vigilantes, estão combatendo ataques criminosos com armamento do século passado.


Vigilantes cumprimentam o presidente do SINDVIGRIO pelo trabalho em favor dos vigilantes

FALHAS NAS UPPS

            O programa fabuloso do Governo do Estado deslocou boa parte dos policiais de rua para compor as bases das UPPS. E hoje quem está enfrentando bandidos com armamento pesado no asfalto são os vigilantes, nos bancos, nos hospitais, nos mais diferentes postos de serviço.

ATENÇÃO AOS ENSINAMENTOS DA PROFISSÃO

            É importante que o vigilantes estejam sempre alerta, atento e apegados aos ensinamentos da profissão no curso de formação. A criminalidade costuma atuar onde não tem segurança privada . E são nessas oportunidades que a criminalidade atua.

            "Não é só o banco que está hoje em eminência de um assalto. Qualquer lugar do Rio de Janeiro pode ser uma atração de atividade criminosa".


Dirigentes Sindicais, Antonio e Ronaldo tiram duvidas dos vigilantes em relação a Convenção Coletiva

RESGATE DE UM BANDIDO NO HOSPITAL SOUZA AGUIAR

            Antonio Carlos lamentou a morte do trabalhador baleado enquanto entrava no Hospital Municipal Souza Aguiar, para ser atendido de um corte na cabeça devido a uma garrafada na porta de uma boate, na Lapa, onde fazia seu trabalho. Na ação criminosa Ronaldo Luiz Marriel foi alvejado por uma bala na troca de tiros.

            Esta foi uma demonstração cabal de que a segurança pública do Estado do Rio de Janeiro está falida. deixar um criminoso de alta periculosidade uma semana no hospital comum é inadmissível. Um momento preocupante!

SUBSTITUIÇÃO DE VIGILANTES POR PORTEIROS E VIGIAS

            Para reduzir custos muitos hospitais, shoppings e condomínios, trocam vigilantes por vigias e porteiros. O Sindicato está tendo sucesso em ações judiciais contra órgãos da administração pública e particular que substituem vigilantes por porteiros e vigias. Não estamos discriminando vigia e porteiros. Porém esses não são profissionais preparados e capacitados para cuidar da segurança patrimonial e da proteção a vida.

16/06/2016 - MAIS DE 15 MIL VIGILANTES COM SALÁRIOS ATRASADOS

Vigilantes de hospitais de outros órgãos que prestam serviço para o governo do estado e da prefeitura estão há pelo menos dois meses sem receber salário.

Em entrevista ao jornal Bom Dia Rio, Antonio Carlos, presidente do SINDVIGRIO disse que não há perspectiva, por parte das empresas,  de pagamento dos salários e benefícios sociais atrasados.

Antonio disse que o departamento jurídico do sindicato trabalha a todo vapor para atender os vigilantes prejudicados, naquilo que as empresas não vem cumprindo.

Milhares de trabalhadores prejudicados por essas empresas que prestam serviço a administração publica que não cumprem com os direitos trabalhistas. " A situação é de penúria dos trabalhadores pais de famílias, que estão passando dificuldade financeira dentro de casa. A prefeitura e o governo do estado devem realizar uma força tarefa para cumprir com essas obrigações".

A reportagem lembrou a paralisação realizada ontem no hospital estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, de protesto por falta de salário. Eles estão há dois meses sem receber salário.

Veja a reportagem completa.

2:47 em diante https://globoplay.globo.com/v/5097521/

15/06/2016 - VIGILANTES MARAL-MINISTÉRIO DO TRABALHO AGILIZARÁ MARCAÇÃO DE MESA REDONDA

.

15/06/2016 - HOSPITAL CARLOS CHAGAS SUCATEADO-VIGILANTES DA FACILITY RECLAMAM FALTA DE PAGAMENTO

.



14/06/2016 - DECISÃO JUDICIAL SUSPENDE LICITAÇÃO PARA VIGIA E PORTEIRO



SINDICATO CONSEGUE SUSPENDER LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE VIGIA E PORTEIRO NO LUGAR DE VIGILANTE


O Sindicato dos Vigilantes  conseguiu liminar do juiz Marcello Alvarenga leite, da 9ª vara de Fazenda Pública, a suspensão do procedimento licitatório de pregão eletrônico, para contratação de serviços de vigia para tender necessidade do Instituto Estadual do Ambiente - INEA, para exercerem as funções pertinentes aos vigilantes. A empresa HopeVig é a responsável pela vigilância do local.

O juiz entendeu que este procedimento viola direito líquido e certo da categoria profissional dos vigilantes, contrariando a Lei Federal 7102/83. Na decisão o juiz diferencia claramente a ocupação de vigia com a função de vigilante.

Com isso o Juiz aceitou o pedido do Sindicato em suspender o processo licitatório relativo ao processo de licitação pelo menor preço de contratação de vigia e porteiro, permanecendo o serviço especializado de vigilância privada.


13/06/2016 - CENTRAIS REFORÇAM IMPORTÂNCIA DO CRESCIMENTO DO BRASIL


Nova Central reforça importância do crescimento econômico do Brasil em reunião com Michel Temer

Fonte: NCST

Na ultima sexta-feira (10/06), o presidente da Nova Central Nacional, José Calixto Ramos, o vice-presidente, Francisco Chagas Costa, o Secretário-geral, Moacyr Roberto, o diretor de relações internacionais, Jaime Bueno, o diretor de assuntos parlamentares, Luiz Gonzaga de Negreiros entre outros diretores da NCST, compareceram ao Palácio do Jaburu, com o presidente interino, Michel Temer, no intuito de avançar nas negociações sobre a Previdência Social e Direito dos Trabalhadores.

“Agradeço o convite em nome da Nova Central de mais esta oportunidade de estarmos juntos tentando conviver com a situação em que o país se encontra. O nosso grande problema é que o Brasil, de certa forma, esta trancado. A república ruiu e o peso maior recai nas costas dos trabalhadores, e enquanto agente não conseguir retomar a economia e o crescimento do país, tomando como base a constituição, reforçando a área da siderurgia, permitindo com que as grandes empresas voltem a funcionar, não iremos avançar em nada”, lembrou o presidente da Nova Central, José Calixto.

 


José Calixto Ramos, ao microfone , pede retomada do crescimento de emprego e renda

Ao longo das intervenções houveram falas focando na retomada do desenvolvimento e crescimento do país. Todos os representantes das 4 centrais (Nova Central, CSB, Força Sindical e UGT), cada um ao seu modo, enfatizaram questões que devem ser levadas em consideração, antes mesmo de qualquer decisão a ser tomada por Michel Temer. “O presidente interino se mostrou disposto a dialogar, com a possibilidade de continuar esta conversa com as 4 centrais sindicais e discutir tecnicamente sobre a previdência social”, esclareceu Calixto.

De acordo com Temer, o momento é de trabalhar pela harmonia, sem dividir, sempre pregando a pacificação e o diálogo para o entendimento. “Agradeço aos nossos líderes pela presença, e por saber que preciso do apoio dos vários setores produtivos do Brasil, para governar, e da harmonia com os trabalhadores e empresários, assim como conseguimos fazer com o poder legislativo em um estado democrático, sei que este momento é de fundamental importância para esta aproximação. Estamos com a “alma aberta” para desempenhar esta tarefa de alavancar o Brasil, e tem que ter o apoio dos trabalhadores. Vamos trabalhar pela harmonia, sem dividir, pregando a pacificação, e o diálogo para melhor entendimento em nome do país”, finalizou. 

José Calixto, ao final da reunião, em entrevista a NBR, lembrou que o presidente interino Michel Temer, teve muita coragem em discutir um assunto tão importante como a questão da Previdência Social, logo neste momento tão crítico. “Sempre fui muito otimista, lembrando que por sermos uma central apartidária, lutamos em defesa dos trabalhadores, sem seguir partido político algum. Este momento trata-se de uma experiência nova que devemos vivenciar, mais sempre trabalhando pelo consenso, sem retirada de direitos e dialogando por um melhor caminho para os trabalhadores e para o Brasil”.

08/06/2016 - NEM VIGILANTE TINHA NO IML DO CENTRO/RJ

Na reportagem publicada no jornal O Dia de hoje (8), a crise financeira do estado do RJ chegou no fundo do poço.

A reportagem levantou que o IML do centro não recebe mais corpos para pericia e liberação.



De acordo com a notícia todos os funcionários e colaboradores do IML - policiais civis, limpeza e manutenção e VIGILANTES ESTÃO SEM RECEBER.

O Sindicato informa que a empresa responsável pela segurança e vigilância do local se faz pela empresa VS Brasil que já está com 3 meses de salários atrasados.

NESTE MOMENTO O SINDICATO DOS VIGILANTES ESTÁ SE DESLOCANDO PARA A CIDADE DA POLÍCIA VERIFICAR COM A ADMINISTRAÇÃO O PAGAMENTO DOS VIGILANTES, TAMBÉM DA VS BRASIL.

http://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2016-06-07/peritos-fazem-paralisacao-por-falta-de-limpeza-no-iml.html

 

08/06/2016 - SINDICATOS FORMALIZAM PROPOSTAS PARA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

SINDICATOS FORMALIZAM PROPOSTAS PARA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Fonte: Jornal Extra

As centrais sindicais encaminharam nesta terça-feira, ao governo federal, o documento com as sugestões dos trabalhadores para a reforma da Previdência, com alternativas à fixação de uma idade mínima para a concessão de aposentadorias do INSS por tempo de contribuição. No texto, enviado após o aval do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), os sindicatos sugerem que direitos adquiridos não sejam extintos.

Na carta assinada por Força Sindical, Central dos Sindicatos Brasileiros, Nova Central Sindical de Trabalhadores e União Geral dos Trabalhadores — direcionada aos ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Ronaldo Nogueira, do Trabalho —, é reforçado o tom de que a Previdência Social não apresentaria déficit, caso o governo federal destinasse a receita da Seguridade para custear os gastos do INSS.

“Considerando todas as receitas da Seguridade Social, hoje desvinculadas pela União para a aplicação em outros fins, as centrais sindicais entendem que o orçamento da proteção social sempre foi superavitário, sendo inoportuna qualquer proposta de reforma paramétrica que signifique a restrição de direitos adquiridos pelos trabalhadores”, afirma o documento.

Entre as principais propostas estão o fim da desoneração da folha de pagamentos das empresas e a revisão de isenções previdenciárias. Os sindicalistas pedem até a recriação do ministério, que foi incorporado à Fazenda. Eles não se sentem mais representados.

  

                                                                                                              

Fonte: Extra

07/06/2016 - JA SÃO QUASE 20.000 SEGUIDORES NO FACEBOOK. CURTA NOSSAS PÁGINAS

06/06/2016 - AUMENTO DOS PLANOS DE SAÚDE DE 13,57% AFETA 8,3 MILHÕES DE BRASILEIROS

Medida atinge 8,3 milhões de beneficiários de planos individuais/familiares

Percentual é válido para o período de maio de 2016 a abril de 2017

Do G1, em São Paulo

Os planos de saúde individuais e familiares serão reajustados em até 13,57%, segundo autorização da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A decisão será publicada no Diário Oficial da próxima segunda-feira (6).

O percentual, válido para o período de maio de 2016 a abril de 2017, atinge cerca de 8,3 milhões de beneficiários – cerca de 17% do total de 48,5 milhões de consumidores de planos de assistência médica no Brasil. O índice atinge apenas planos individuais e familiares. O reajuste de planos coletivos empresariais é calculado com base na livre negociação entre as operadoras e as empresas, fundações, associações, conselhos profissionais.

                     Planos de saúde perdem 617 mil clientes em 3 meses

O reajuste de 13,57% é válido para os planos de saúde contratados a partir de janeiro de 1999, ou adaptados à Lei nº 9.656/98, segundo a ANS. Ele só pode ser aplicado a partir da data de aniversário de cada contrato. Se o mês de aniversário for maio ou junho, será permitida cobrança retroativa, nas mensalidades de julho e agosto. Para os contratos com aniversário entre os meses de julho de 2016 e abril de 2017 não poderá haver cobrança retroativa.

Mais uma vez o teto de reajuste fica acima da inflação. Em 2015, o reajuste máximo foi fixado em 13,55%. Em 2014, foi de 9,65%.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, atingiu 0,61% em abril, acumulando 9,28% em 12 meses.

Média dos planos coletivos

A agência afirma que a metodologia utilizada para calcular o índice máximo de reajuste anual dos planos individuais/familiares é a mesma desde 2001 e leva em consideração a média dos percentuais de reajuste aplicados pelas operadoras aos contratos de planos coletivos com mais de 30 beneficiários.

"A ANS não define percentual máximo de reajuste para os planos coletivos por entender que as pessoas jurídicas possuem maior poder de negociação junto às operadoras, o que, naturalmente, tende a resultar na obtenção de percentuais vantajosos para a parte contratante", explica a agência.

A ANS disponibilizou em seu site um Perguntas e Respostas sobre o reajuste.

Perda de clientes

Os planos de saúde perderam 951 mil clientes neste ano, segundo dados da ANS. O setor reúne atualmente 48.490 milhões de beneficiários em planos de assistência médica, uma queda de 12% ante a um total de 49,441 milhões de beneficiários em dezembro do ano passado.

01/06/2016 - SEGUNDO VEREADOR PMDB ACABOU COM RJ

O Veraedor Paulo Pinheiro do PSOL publicou no Globo Online, dia 26/05, analisando a gestão do PMDB no Governo do Rio de Janeiro.


O Sindicato dos Vigilantes complementa a nota, lembrando que este mesmo Governo contraiu tantas dividas com gastos não prioritários, fazendo com que deixasse de pagar as empresas terceirizadas, principalmente de Segurança e Vigilância, afetando milhares de trabalhadores. A divida ja chega na ordem de 5,5 bilhões de reais.



O PMDB ERROU - PARTIDO FRACASSOU NA GESTÃO DO RIO DE JANEIRO

 Desde 2003 o PMDB dá as cartas na política do Rio de Janeiro, mas foi a partir do governo de Sérgio Cabral que o partido afirmou ter inaugurado uma governança moderna, com métodos empresariais e orientada por consultorias de ponta. Impulsionado pelos ganhos da indústria do petróleo, Cabral propôs um projeto audacioso de desenvolvimento do estado. O governador caiu nas graças do então presidente Lula, e jorraram recursos para o Rio. Todos os ventos sopraram a favor. Adversário em 2006, Eduardo Paes tornou-se parceiro, ganhou a prefeitura da capital e, junto com Lula e Cabral, criou o slogan “Somos um Rio”.

O PMDB da era Garotinho/Rosinha deu lugar aos “anos dourados” da dupla Cabral/Paes, que esbanjava bom humor diante dos bilhões de reais que passaram a administrar em obras de prioridade duvidosa. A área da segurança, sob o comando do secretário Beltrame, recebeu as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), que renderam ao governador Cabral a sua reeleição. Na saúde, a ordem foi privatizar a gestão. Criaram-se Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) 24h, além de serviços de excelência como o Rio Imagem e o Instituto do Cérebro.

O Rio foi escolhido para sediar as Olimpíadas, e Paes também foi reeleito. Mas, pouco tempo depois, Cabral tornou-se protagonista do primeiro grande escândalo envolvendo governos e empreiteiras. Era o início do fim dos “anos dourados”. Os ganhos com o petróleo caíram, e a administração estadual entrou em crise, a ponto de, recentemente, o próprio presidente do PMDB regional, Jorge Picciani, dizer que o Rio está sem comando.

Segundo pesquisas, a rejeição ao governo estadual supera 80% e, na capital, os desperdícios olímpicos — somados à péssima qualidade das obras executadas — renderam ao prefeito 65% de rejeição. Tais índices devem envergonhar a cúpula nacional do partido, assim como envergonham todos nós os alertas feitos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) aos turistas e atletas que virão ao Rio em agosto. A entidade recomendou distância das regiões mais pobres e sem saneamento básico, atenção com os mosquitos e cuidado com as águas poluídas da Baía da Guanabara. E o que diria a OMS se soubesse da alta taxa de incidência da tuberculose em algumas comunidades?

 Por falta de condições adequadas oferecidas ao secretário Beltrame e aos seus policiais, os índices de criminalidade voltaram a crescer. Na saúde, permanecem as intermináveis filas nos nossos hospitais, faltam leitos nas UTIs, e o funcionamento das UPAs foi reduzido. As obras de drenagem da Praça da Bandeira falharam na primeira chuva. As péssimas condições oferecidas aos professores e alunos da rede estadual os fizeram ocupar as escolas, na tentativa de salvá-las. Uma ciclovia recém-inaugurada, que custou R$ 43 milhões, desabou, matando pessoas. O governo deu calote nos aposentados e atrasa os salários dos demais servidores. A Baía de continua poluída. Os fatos não deixam margem a dúvidas: o “modo PMDB de governar” fracassou no Rio e, se é verdade que aprendemos muito com os erros, o PMDB os tem de sobra. Nunca na história do Rio se errou tanto. Nunca tantas oportunidades foram desperdiçadas.

Paulo Pinheiro é vereador no Rio (PSOL)

31/05/2016 - CONTRATAÇÃO EM REGIME PARCIAL FERE A CONVENÇÃO COLETIVA

O Sindicato esteve na manhã desta segunda feira (30) participando da mesa redonda no Ministério do Trabalho e Emprego com a presença de quatro empresas (G4S, Prosegur, Protege e Juiz de Fora) que estão contratando vigilantes por regime parcial/horistas. 


Representantes das empresas defendem contratação parcial

Para o Sindicato este tipo de contratação precariza as leis trabalhistas e apunhala diretamente a Convenção Coletiva de Trabalho da Categoria.

O Sindicato dos Vigilantes conquistou durante muitas décadas de lutas, a negociação coletiva e a Convenção Coletiva de Trabalho. Desde então todas as normas especificas da categoria, têm sido sempre disciplinadas por Convenção Coletiva ou acordo coletivo.

"Discutir vigilante parcial ao arrepio da Convenção Coletiva, ao nosso ver, é uma forma de desrespeitar aquilo que já foi conquistado com muitos anos de luta pela categoria e pelo Sindicato". disse Antonio Carlos, presidente do SindVigRio.

A Convenção Coletiva é uma norna que complementa as leis trabalhistas. Neste momento estabelecer o vigilante parcial ao arrepio da Convenção seria regredir ao período em que os vigilantes não tinham Convenção Coletiva.

Presidente do Sindicato, Antonio Carlos, denuncia que vigilantes chagam a receber menos que um salário mínimo

Se há uma Convenção que regule a atividade, não é normal que as empresas contratem vigilantes fora do padrão da norma coletiva.

A Federação Estadual dos Vigilantes que tem 10 sindicatos de trabalhadores filiados, entende que a contratação de vigilante por tempo parcial, desrespeita as garantias constitucionais e aquelas conquistadas ao longo de décadas de lutas da categoria. 

Ainda que exista dispositivo legal prevendo a jornada parcial, isto deve ser aplicado de forma excepcional e por tempo determinado prevalecendo para as categorias que não possuem representação sindical e instrumentos coletivos de trabalho.



Exibindo a 13 de 814« 1 2 3 4 »